6 atividades para fazer com as crianças antes que elas cresçam


 

Seus filhos pequenos são atentados, te chateiam com pirraças sem fim e você torce por alguns momentos de tranquilidade, certo? Nada mais legítimo do que pensar no próprio sossego, há que se concordar.

 

Saiba, porém, o seguinte: quando você menos perceber, o tempo já passou e aquela coisinha amorosa, arteira e meiga que não saía dos seus braços agora se tornou independente, ensimesmada e enjoadinha, atenta mais ao celular do que às suas palavras.

 

Por isso resolvi dar esse palpite: por que não mudar um pouco o seu ângulo de visão, deixar um pouco as preocupações de lado e aproveitar cada momento antes que a etapa da infância termine, construir memórias vivas enquanto é tempo, nadar com gosto nesse rio que nunca passa duas vezes no mesmo lugar?

 

Esta reunião, evidentemente incompleta, de orientações quase genéricas mas feitas com afeto, é sobre tudo aquilo que você poderia viver antes que seja tarde demais. É sobre tudo aquilo que muitos até poderiam considerar irrelevante nas relações humanas, mas que no meu entendimento correspondem ao verdadeiro sentido das coisas importantes. Àquele que só se preocupa com cifras, investimentos, ganhos, desempenho, que só pensa em termos quantitativos, eu digo o seguinte: fuja destas linhas perigosas que podem te transformar numa pessoa mais humana.

 

Andar na rua, mesmo sem rumo certo

 

Porque quem acha que o melhor deslocamento entre dois pontos é o mais curto ou o mais rápido são os adultos chatos. Criança gosta é do caminhar, do ato de pular as poças do caminho, de rir dos cachorros nos portões, de aguardar o sinal abrir, de intrigar-se com os rabiscos nos muros. Um passeio a pé, além disso, sempre será a melhor forma de conhecer a sua cidade.

 

Dormir na mesma cama

 

Porque depois que passa essa fase você vai sentir que falta alguma coisa entre você e seu/sua companheiro/a, falta aquela lembrança que de madrugada invade os lençóis com medo de pesadelos e te abraça de um jeito tão inocente e verdadeiro que o seu sono ganha uma qualidade quase divina.

 

Caçar um tesouro dentro de casa

 

Porque o lúdico nasce de onde menos se espera. Um pequeno baú escondido debaixo de um travesseiro, com pistas espalhadas pela casa, uma fantasia de pirata (por que não?) e a disposição da descoberta, o pendor à aventura, constroem laços, em nosso tempo de brincadeira, que desenho televisivo nenhum é capaz de tecer.

 

Fazer um brinquedo ou um bolo

 

Porque o processo muitas vezes é mais importante que o produto. Não importa muito se as mãos se sujaram de farinha, se a cola derramou, se o recorte da cartolina ficou torto, se a caixa de papelão é frágil, se a massa solou: as crianças vão curtir cada etapa dessa fabricação como uma brincadeira em si mesma, independente dos seus dotes culinários ou artísticos.

 

Bater muitas fotos, gravar muitos vídeos

 

Porque cada fase de seus filhos é única, cada mínima novidade é sem volta, cada etapa de sua relação com eles é inigualável. Nada mais conveniente, portanto, do que registrar a singularidade desses momentos da melhor forma possível. Abra um canal no YouTube, distribua as imagens aos amigos, faça montagens, transmissões ao vivo, blogs. E não economize na impressão de suas fotos para a confecção de álbuns de família, muito mais importantes do que meros arquivos digitais, que se perdem facilmente.

 

Ter um animalzinho de estimação

 

Porque ele ensina a amar incondicionalmente, a respeitar os ciclos da vida, a cuidar dos outros. Levar para passear, deixar tudo limpo, ficar de olho nos horários, na rotina, nas regras… São tantos os aprendizados marcantes que muitas pessoas que conheço lembram dos momentos passados com seus bichinhos como os seus primeiros grandes desafios: lidar com a perda, com as responsabilidades, com a alteridade, desafios que nos constroem como sujeitos.

Inspirado no livro “101 coisas para fazer com as crianças antes que elas cresçam”. Clique aqui para adquirir essa obra recomendada pelo Palpitando por Aí e ainda exercitar o seu lado solidário, já que todo o lucro obtido com as vendas é remetido a instituições sociais filantrópicas.

Posts Relacionados

Dia das Crianças – o palpite é brincadeira!... Nesta quinta-feira, dia 12 de outubro, nós temos uma dupla comemoração aqui nas terras tupiniquins. O feriado de hoje é devido à homenagem a Nossa Sen...
Caindo na real: como me encantei com o feminismo   Acabei de ler o livro “Para educar crianças feministas”, da escritora Nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, o que serviu para que eu mudasse o...
Viajando sem filhos Muitas pessoas me perguntam como eu consigo viajar sem meus filhos. “Você não fica com saudades?” “Eles ficam bem?” E por aí vai… Claro que eu morr...
Marcos Aquino

sociólogo, carioca, pai da Amelie, vai do samba de raíz ao rock ‘n roll sem escalas, escreve bem pacas, nosso moreno claro e, lógico, palpiteiro.

VEJA OUTROS PALPITES

DEIXE SEU PALPITE

Siga o Palpitando

Os Palpiteiros

Carol, Rafa, Gi, Marcos e Beta

Carol, Rafa, Gi, Marcos e Beta

Somos cinco amigos muito palpiteiros que gostariam de convidar todos para entrar nessa sala de estar virtual e, junto conosco, tornar-se um palpiteiro por aí...